​Últimas Notícias

Os MEP Awards são prémios atribuídos anualmente pela revista Parliament Magazine aos eurodeputados que se destacaram em diferentes áreas de trabalho. O objetivo é reconhecer o trabalho dos membros do Parlamento Europeu e ao mesmo tempo comemorar as suas conquistas nas diferentes áreas.



A eurodeputada socialista, que assumiu funções há menos de 1 ano, congratula-se pela nomeação. “É uma grande honra ser nomeada para os MEP Awards, na categoria de saúde, nos meus primeiros meses de mandato. Esta nomeação é um reconhecimento de que o trabalho desenvolvido está no rumo certo. Desde já o meu agradecimento público à minha incansável equipa, sem a qual esta nomeação não teria acontecido.”


“Desde julho de 2019 que tenho como missão desenvolver um trabalho articulado e de cooperação que melhore o quotidiano dos cidadãos europeus, salvaguardando sempre os interesses de Portugal e da Madeira”, reafirma a socialista.


Em declarações, a eurodeputada considera que “ainda temos um longo caminho a percorrer nos próximos anos de mandato, mas esta nomeação é já para mim e para a minha equipa um reconhecimento público do trabalho que temos vindo a desenvolver no Parlamento Europeu. Obrigada a todos os que acompanham com proximidade o meu trabalho, dentro e fora do parlamento europeu. Da minha parte, continuem a contar com todo o meu empenho e dedicação.”


Dos 21 eurodeputados portuguesas apenas 3 estão nomeados: Sara Cerdas, na categoria de “Saúde”; Maria da Graça Carvalho na categoria de “Mercado único digital” e Marisa Matias na categoria de “Industria, Investigação e Inovação”.

As nomeações para o prémio são efetuadas por agentes, entidades e stakeholders nestas áreas, em Bruxelas e Portugal. Até ao dia 17 de fevereiro decorrem as votações, sendo o vencedor anunciado no dia 25 de março, na cerimónia de encerramento.


Todos os nomeados em http://www.mepawards.eu/shortlist

5 visualizaçõesEscreva um comentário

Sara Cerdas defendeu em plenário, no Parlamento Europeu em Estrasburgo, que “os Estados-Membros devem aproveitar os instrumentos da União Europeia, para a investigação e inovação, de modo a dotar os alunos e o corpo docente de competências que estejam adaptadas às reais necessidades do mundo laboral”.

A intervenção sucedeu no seguimento do último Roteiro Geração Madeira, na Ribeira Brava, onde constatou que as empresas na área da investigação e tecnologia deparam-se com desafios na capacitação e formação de recursos humanos, uma desvantagem que assumem ser corrente na região e que está presente no próprio sistema de ensino, que não dota os alunos de instrumentos para dar resposta às necessidades do mercado atual. “Tive recentemente a oportunidade de reunir com empresas ligadas à área da investigação e inovação da Madeira, uma região ultraperiférica, que diziam justamente que “as necessidades de hoje em dia, não são as mesmas do passado”, referiu.


A eurodeputada socialista demonstrou o seu ponto de vista em relação ao futuro crescimento e prosperidade da Europa para continuar a ser um líder no domínio da investigação e inovação, e reforçou a importância do programa Horizonte Europa como um meio para atingir esse objetivo, defendendo “que o programa Horizonte Europa seja usado e potenciado por parte dos Estados-Membros de forma a apostar numa verdadeira transformação curricular e que se traduza em investigação pioneira e de excelência”.


O Horizonte Europa é o futuro programa-quadro de investigação e inovação da União Europeia para o período de 2021-2027, que integra o Quadro financeiro plurianual, atualmente em debate e negociação no Parlamento Europeu. “Estamos de momento a trabalhar no novo programa para a investigação e desenvolvimento, o Horizonte Europa.


Este programa irá formar os nossos jovens e dotá-los de competências para as mais diferentes áreas profissionais e a investigação. Contamos que essas competências sejam transmitidas por parte do sistema de ensino”, referiu.

Segundo a proposta da Comissão Europeia, o programa Horizonte Europa visa reforçar os setores científico e tecnológico da UE, a fim de fazer face aos grandes desafios globais. Deverá criar até 100 mil postos de trabalho nestas áreas, e disponibilizará no orçamento um aumento de 50% em relação ao anterior programa, o Horizonte 2020.

1 visualizaçãoEscreva um comentário