Madeira não pode ficar refém da falta de estratégia do Governo Regional, diz Sérgio Gonçalves

No primeiro painel da Conferência “Turismo 2020”, dedicado ao tema “Turismo em tempos de Pandemia”, iniciativa da eurodeputada Sara Cerdas, o deputado do PS-M à Assembleia Legislativa da Madeira Sérgio Gonçalves considerou que há uma falta de estratégia do Governo Regional em relação ao Turismo e afirmou que este setor deve merecer a maior atenção.

“A Madeira não pode ficar refém, em termos de futuro, de uma falta de estratégia do Governo Regional relativamente ao nosso principal setor de atividade”, sustentou o parlamentar, acusando também o Executivo de propaganda em relação aos voos para a Região. “Há um desfasamento entre o que é anunciado e o que se verifica”, disse.


Sérgio Gonçalves aproveitou para voltar a defender medidas como a criação de um fundo para a captação de novas rotas aéreas, o plano de contingência para o Aeroporto e a formação no setor, questões que têm sido propostas pelo PS e constantemente recusadas pela maioria.

Já Luís Araújo, Presidente do Turismo de Portugal, afirmou que a oferta no setor do turismo aumentou em 80%, desde 1995, “um crescimento expressivo em termos de empresas e pessoas a trabalhar no setor, bem como em termos de receitas”. O responsável reconhece que “a procura aumentou quando o corredor foi aberto com Inglaterra, mas que ainda assim o setor do turismo e as empresas continuam paradas.

“Precisamos de uma coordenação clara, não apenas com a Europa e os organismos europeus, como a Comissão Europeia, mas a nível interno, como a saúde e o turismo. A bolha do turismo tem o seu papel, mas a saúde tem uma componente muito importante. É preciso mais comunicação interna, e uma aposta no futuro, no digital e na requalificação de recursos humanos”, rematou.

Por seu turno, o empresário Márcio Nóbrega deu conta do forte impacto da pandemia no setor da restauração, apontando os prejuízos enormes verificados, e considerou que a confiança não vai voltar até que apareça uma vacina no mercado. O orador entende também que deveria ter havido uma maior resposta à proteção do emprego, mas que se desse capacidade às empresas de se capitalizarem.

Nuno Vale, diretor-executivo da Associação de Promoção da Madeira, revelou que “a estratégia de promoção da região manteve-se, mas taticamente tivemos que ajustar os nossos planos para garantir que o consumidor mantém a região no topo de notoriedade dos destinos, e que a imagem de destino seguro saia reforçada”, com vista à retoma do setor, de forma sustentada nos mercados, num “contexto de enorme incerteza, que muda todas as semanas”.

Poderá acompanhar o debate em direto nas redes sociais da eurodeputada Sara Cerdas.