Sara Cerdas apela a mais transparência nos dados sobre a vacina COVID-19


O Parlamento Europeu debateu ontem, em plenário, a importância de garantir a transparência na compra, bem como assegurar o igual acesso, às vacinas contra a COVID-19. Sara Cerdas apelou a mais transparência, dirigindo algumas questões à Comissão Europeia quanto à sua estratégia.


Na sua intervenção em plenário, a Eurodeputada considerou que a União Europeia “esteve bem” na aquisição conjunta de vacinas, uma vez que trouxe “valor acrescido” e garantiu “que estejamos na linha da frente no acesso equitativo dos cidadãos europeus à vacina”.

Contudo, alerta que a disponibilização da vacina irá trazer grandes desafios, “desde a perspetiva de um início da resolução desta pandemia, à hesitação em vacinar” e que, por isso, “ainda há um longo caminho a percorrer”.

“É fundamental uma total transparência em todo este processo: só assim poderemos garantir a confiança dos cidadãos nesta imunização massiva que se pretende célere”, exprimindo a importância de disponibilizar o máximo de informação aos cidadãos europeus.

“Temos o dever de informar, e os cidadãos europeus o direito a serem informados. Tenhamos esta premissa como um objetivo”, afirmou a socialista.

Sara Cerdas, que tem desempenhado um papel ativo nesta matéria, com diversas questões interpeladas à Comissão Europeia e nas reuniões da Comissão ENVI, que trata dos assuntos de saúde, segurança alimentar e ambiente, questionou o ponto de situação “para os estudos de monitorização da farmacovigilância pela Agência Europeia do Medicamento (EMA) e o Centro Europeu de Controlo e Prevenção de Doenças (ECDC)”, nomeadamente se este processo irá “condicionar a disponibilidade da vacina dentro da UE”.

Sobre os possíveis efeitos adversos que a vacina para a COVID-19 poderá causar, a eurodeputada questionou ainda quais as ações para a deteção destes efeitos não expectáveis “a curto, médio e longo prazo” perante uma “eventual necessidade de suspensão da distribuição da vacina”.

A Comissão Europeia entrou na fase avançada de negociação com vários laboratórios farmacêuticos para a criação de um portfólio de potenciais vacinas contra a COVID-19. O debate visou abordar os critérios e condições para a compra e o acesso às vacinas.