Sara Cerdas congratula-se pela aprovação da posição do PE sobre o Plano Europeu de Combate ao Cancro

Os eurodeputados aprovaram hoje a posição do Parlamento Europeu sobre o Plano Europeu de Combate ao Cancro. Com 652 votos a favor, 15 contra e 27 de abstenção, os eurodeputados expressaram a necessidade de envidar mais esforços para prevenir e tratar esta doença.

A Comissão Especial de Combate ao Cancro, que teve a duração total de 15 meses, e da qual Sara Cerdas foi vice-presidente, trabalhou intensamente para reforçar a abordagem em cada uma das principais fases da doença - prevenção, diagnóstico, tratamento e vida do doente e do sobrevivente de cancro - e para formular as recomendações necessárias para uma ação conjunta, a fim de combater este flagelo e identificar ações em termos de políticas da UE.


A eurodeputada do PS afirma que este é um relatório ambicioso, baseado na melhor evidência científica, que permitirá “impedir que o cancro continue a ser uma fatalidade na UE”. Na sua intervenção em plenário, na terça feira, referiu que o plano apresenta respostas para “os doentes, cujo acesso ao diagnóstico atempado e aos tratamentos adequados é determinante para a sua sobrevivência, estejam em Estrasburgo, em Bruxelas, ou na Madeira, uma Região Ultraperiférica; os colegas profissionais de saúde, que querem prestar aos doentes os melhores cuidados possíveis; os investigadores, que aguardam por melhores dados para promoverem mais e melhores estudos e encontrarem as respostas necessárias; às famílias e os cuidadores, que todos os dias lutam para garantirem a qualidade de vida dos seus; os sobreviventes, que pretendem avançar com uma vida normal, sem qualquer condicionamento económico ou social, garantida pelo direito ao esquecimento; E, finalmente, os cidadãos, dos mais velhos às mais novas gerações, incluindo as suas organizações, que contam connosco, os seus representantes, para ajudarmos a melhorar e salvar vidas”.


A Comissão Especial de Combate ao Cancro foi criada pelo Parlamento Europeu em junho de 2020 e terminou em 23 de dezembro de 2021. Esta comissão especial organizou uma série de audições públicas, reuniões externas com organizações e peritos internacionais, bem como analisou os impactos da pandemia de COVID-19 no combate ao cancro.