Sara Cerdas considera Certificado COVID “aposta necessária para acelerar a recuperação económica”

Esta manhã, no Parlamento Europeu, os deputados discutiram a proposta da Comissão Europeia para o Certificado Verde Digital - que passará a ser denominado Certificado Europeu COVID-19 - abrindo o caminho para iniciar rapidamente as conversações com os Estados-membros, com vista a adotar o mesmo até ao verão.

Sara Cerdas, durante o debate que precedeu a votação, apontou que o novo instrumento, o Certificado Europeu COVID-19, “é uma aposta necessária para acelerar a recuperação económica, a liberdade de circulação, aliada ao controlo da pandemia”, mas que a União Europeia deve ter “cautela” neste passo.

“Não podemos ter um certificado que crie desigualdades ou discriminação para os cidadãos, nem que exponha os seus dados ou que aumente a burocracia. Pelo contrário, e aqui temos uma oportunidade para a UE mostrar que consegue ter uma resposta coordenada e adequada, que facilita e proteja a vida dos cidadãos”, sublinhou.

A eurodeputada do PS partilhou em plenário o seu exemplo pessoal, constatando que o facto de vir da Madeira, uma região ultraperiférica, a faz passar por diferentes tipos de procedimentos de controlo. “Atualmente, quando volto a casa, preciso de passar por três tipos de procedimentos diferentes. Aqui na UE”. Sara Cerdas considera que o certificado é uma boa aposta da Europa e que poderá ter repercussões importantes, em especial para a região, contribuindo para impulsionar a recuperação da economia e aumentar gradualmente o regresso do turismo.

“Este certificado é uma medida que deverá facilitar a livre circulação de cidadãos, através do mútuo reconhecimento da vacina, do teste negativo ou da recuperação da infeção, e assim complementar as medidas de controlo da infeção já implementadas.”

O Parlamento vai retificar a proposta legislativa, finalizando o mandato para as negociações. Tanto o debate como a votação sobre a posição do Parlamento para as negociações ocorrem na quarta-feira, e os resultados serão anunciados na manhã de quinta-feira. Uma resolução sobre os preços e a disponibilidade dos testes COVID-19 será ainda colocada a votação na quinta-feira.