Sara Cerdas defende mais formação na área da Investigação e Tecnologia

A terceira edição do Roteiro Geração Madeira, iniciativa de Sara Cerdas, decorreu hoje, na Ribeira Brava, com o tema “Investigação e Tecnologia”.

A eurodeputada, acompanhada pela deputada na ALRAM Olga Fernandes, visitou as instalações da Altice Labs e do Grupo ACIN, no sentido de recolher no terreno os contributos de empresários nesta área de atividade, perceber de que forma os fundos europeus estão a ajudar no desenvolvimento dos seus projetos e como, no âmbito do Horizonte Europa, naquele que será o próximo programa para estas temáticas, poderão estas empresas alavancar mais fundos europeus.


Em declarações à comunicação social, Sara Cerdas falou sobre o Brava Valley, o projeto que se iniciou em 2015, mas que considera estar “a demorar na sua execução”. O Brava Valley visava em tornar a Ribeira Brava na Silicon Valley da Madeira (e do País), disponibilizando um pacote fiscal atrativo às empresas tecnológicas que se fixassem no concelho.


A eurodeputada expôs que após a visita a estas empresas, leva consigo duas notas muito importantes: “primeiro, que é preciso haver uma grande comunicação entre todos os intervenientes nestas áreas. A União Europeia tem todas as possibilidades de ser número um na área da tecnologia e inovação, mas para isso precisamos de por todos os intervenientes a comunicar; em segundo lugar, que a capacitação de recursos humanos é fundamental. Estas são novas áreas e a grande ‘queixa’ que eu recolho, e também levo comigo para o Parlamento Europeu, é capacitação dos recursos humanos - ter quadros formados, de forma a dar resposta a estas áreas, uma área que está muito carente aqui na Madeira”.


Sara Cerdas também defendeu a criação de mais parcerias com instituições regionais, nacionais e internacionais, uma “interligação importante com as universidades e com as escolas”, que poderá ocorrer através de programas de formação, de estágio e incentivo ao emprego, que permitam atrair capital humano para a sua fixação na ilha. Neste sentido, afirma ainda que “A Madeira poderá ser um ponto de interesse a nível mundial, porque temos todos os recursos aqui existentes do ponto de vista de maturação e evolução tecnológica. Portanto, tendo bons quadros, podemos aqui ser um bom ponto para o resto do mundo, não apenas para a União Europeia”.


O novo programa Horizonte Europa, proposto pela Comissão Europeia, dispõe de um orçamento total de 100 mil milhões de euros para o período 2021-2027, o que representa um aumento de 50% em relação ao programa Horizonte 2020. Atualmente, este programa, que integra Quadro financeiro plurianual, encontra-se em debate e em negociação no Parlamento Europeu. Sara Cerdas acredita que o próximo programa será ainda mais ambicioso e que “irá dar resposta a estas questões e que, esperemos, facilitará esta formação de novos quadros nesta área tecnológica, tão importante para o desenvolvimento da nossa sociedade”.