Sara Cerdas defende rápida ação da UE na recuperação das áreas afetadas pelos fogos florestais

Sara Cerdas questionou a Comissão Europeia sobre como esta pretende garantir uma melhor prevenção dos fogos florestais e a respetiva proteção de áreas naturais afetadas, em especial nas Regiões Ultraperiféricas.

“Apesar de se verificar uma diminuição de incêndios na Madeira, a área ardida tem crescido. Com a aproximação da época estival é necessário que para além dos esforços envidados no patrulhamento, vigilância, deteção e combate precoce a incêndios nas áreas rurais, que a União Europeia, através dos mecanismos que dispõe, como a Estratégia de Biodiversidade, tenha em consideração a importância de recuperar e conservar as zonas atingidas o mais rapidamente possível”.

A eurodeputada do PS considera que a nova Estratégia de Biodiversidade, que tenciona plantar 3 mil milhões de árvores até 2030, “deverá estar ajustada à conservação das árvores endémicas das diversas regiões europeias e garantir a preservação da biodiversidade adjuvante”.

“As Regiões Ultraperiféricas, devido à sua orografia e dificuldade na limpeza e manutenção das serras, e perante as alterações climáticas, correm grande risco de incêndios. A Comissão Europeia deve ter em consideração estes aspetos nas estratégias implementadas. Tendo em conta que cerca de 80% da biodiversidade da UE atualmente encontra-se nas regiões ultraperiféricas (RUPs), regiões, países e territórios ultramarinos, tal obriga a uma especial atenção para garantir a sua boa preservação e restauração.”


A eurodeputada questiona também quais as estratégias que a Comissão Europeia tem preparadas para coordenar com os Estados-membros uma melhor prevenção dos incêndios florestais e respetiva proteção de áreas naturais protegidas.

A questão enviada vai no sentido de complementar a estratégia na RAM, nomeadamente com o Plano Operacional de Combate a Incêndios Florestais (POCIF) que entrou em vigor esta terça-feira, dia 15 de junho, com um dispositivo de intervenção permanente.

O Parlamento Europeu aprovou na semana passada a Estratégia de Biodiversidade da UE para 2030. Um importante relatório que visa garantir que até 2050 os ecossistemas mundiais sejam restaurados, resistentes e adequadamente protegidos. Segundo a 20.ª edição do relatório anual sobre os incêndios florestais na Europa, no Médio Oriente e no Norte de África, em 2019 arderam mais de 400 000 hectares (ha) de terrenos naturais na Europa e um número recorde de áreas naturais protegidas foram afetadas por incêndios florestais.