Sara Cerdas defende uma “União para a Saúde Europeia”

Sara Cerdas foi hoje a porta-voz e negociadora pelo grupo dos Socialistas e Democratas no Parlamento Europeu, para uma resolução sobre a coordenação das avaliações sanitárias e restrições de viagem no espaço Schengen. Durante o debate, defendeu a criação de uma “União para a Saúde Europeia”, que assente numa “gestão efetiva, coordenada e partilhada”.


A eurodeputada teceu críticas às forma como os Estados-Membros geriram a pandemia, considerando que “apesar dos esforços das instituições europeias, assistimos a uma verdadeira falta de coordenação entre os Estados-Membros” e apelou a uma abordagem comum e transversal em matéria de avaliações sanitárias e medidas de circulação, de forma a permitir por parte dos cidadãos uma “melhor perceção e adesão às medidas” e a assegurar “confiança nas suas autoridades aos mais diversos níveis”.

“A Comissão, com o parecer do Centro Europeu de Controlo e Prevenção de Doenças (ECDC) deve promover com os Estados-Membros uma metodologia comum de recolha de dados, com a uniformização das definições de caso e de morte por COVID-19. Só assim, conseguiremos harmonizar a avaliação do risco epidemiológico em toda a União. Urge elaborar um quadro comum de medidas de saúde pública a adotar pelas autoridades públicas perante os diferentes níveis de risco, permitindo assim uma melhor percepção e adesão por parte dos cidadãos”, afirmou durante o debate. 

Sara Cerdas considera que “apenas com uma coordenação efetiva poderemos assegurar um mercado único eficiente e resiliente, que garanta a disponibilidade de produtos em toda a UE e a todos os seus cidadãos”. 

O Parlamento Europeu votará na quinta feira uma resolução sobre este assunto.