Sara Cerdas destaca importância das avaliações de impacto ambiental

Sara Cerdas defende a implementação de uma abordagem holística e credível pelas regiões da UE em resposta às emergências climáticas e à proteção da biodiversidade, como recomenda o novo programa de ação da UE para o ambiente até 2030, debatido esta tarde na sessão plenária do Parlamento Europeu.


O instrumento que guiará a União nos seus objetivos ambientais e climáticos na próxima década, com 2050 à vista, apresenta medidas de mitigação e adaptação, aborda a economia circular, a proteção e recuperação da biodiversidade e o objetivo de poluição zero. A eurodeputada do PS, na sua intervenção em plenário, apontou que esta abordagem da UE “terá também de considerar as especificidades das regiões europeias que têm pontos de partida diferentes, incluindo as regiões ultraperiféricas, como a Madeira e os Açores”, bem como “incluir o nível local no processo de tomada de decisão que ajudará a garantir a coesão territorial da União”.


“Ainda há muito por fazer em relação a esta matéria. Recentemente, no concelho de São Vicente, tivemos conhecimento de um atentado ambiental gravíssimo, onde foram encontradas várias toneladas de amianto num terreno de um estaleiro, uma fibra muito perigosa para a saúde das pessoas e para o ambiente. Os estudos de impacto ambiental de novos projetos são fulcrais para identificar os possíveis impactos de um determinado projeto na saúde das pessoas e no meio ambiente. É necessário garantir que há uma série de requisitos mínimos que são cumpridos, que as instituições percebem a real importância que estas questões têm para o nosso dia a dia, para o ambiente e para as pessoas”, refere em declarações. No que toca à questão energética, Sara Cerdas salienta ainda que “mais do que nunca, temos todos os sinais de que devemos diminuir a nossa dependência dos combustíveis fósseis e terminar os investimentos nos mesmos o mais rapidamente possível”, referindo-se à dependência da UE de gás russo.


O 8.º Programa de Ação da UE para 2030 em matéria de ambiente foi hoje debatido em plenário e à noite será votado pelos eurodeputados. Visa garantir a transição da União para a neutralidade climática e uma maior sustentabilidade nas políticas públicas europeias.