Sara Cerdas nomeada para relatório do Parlamento Europeu sobre o Cancro

Sara Cerdas foi nomeada relatora pelo grupo socialista para o Relatório do Parlamento Europeu sobre o Cancro, onde deverá refletir a visão e ambição da Europa no combate a esta doença.


“Encaro com um enorme sentido de responsabilidade a nomeação pelos eurodeputados para este relatório, que surge numa altura muito importante para a Europa. Sabemos atualmente que o cancro é a segunda causa de morte na Europa e a primeira causa de morte antes dos 65 anos. Ainda na semana passada, a recém-eleita Presidente da Comissão Europeia enfatizou o compromisso em combater e investigar mais sobre o cancro, sendo este relatório uma oportunidade para traçar uma série de recomendações aos Estados Membros com esse mesmo objetivo.”


A eurodeputada socialista, que é também Presidente do Grupo de Trabalho em Saúde do Parlamento Europeu, pretende colocar nas agendas das diferentes instituições europeias e decisores políticos a questão do combate e investigação na área do cancro. “A Europa poderá ter um papel determinante e tornar-se pioneira na investigação e combate ao cancro. Iremos iniciar os trabalhos no âmbito deste relatório, ouvindo os decisores políticos, instituições e a sociedade civil. Queremos elaborar um relatório ambicioso com um impacto verdadeiramente positivo na vida dos cidadãos europeus.”


Sara Cerdas admite que “os números e o aumento de novos casos de cancro em todos os Estados-Membros têm demonstrado que é imperativo apostar em novas estratégias. Só na Madeira foram diagnosticados 1086 novos casos de cancro, em 2017, segundo o Registo Oncológico Nacional, o que significa que em cada 100 mil habitantes, existem 328 novos casos de cancro”.


Em reuniões preliminares, a Eurodeputada admite já ter definido algumas linhas orientadoras para o desenvolvimento do seu trabalho: “pretendemos algumas medidas muito concretas com este relatório, nomeadamente na aposta na promoção da educação para a saúde e na prevenção secundária, através de rastreios, no sentido de evitar diagnósticos tardios. Duas medidas que poderão minimizar o número e a gravidade dos casos de cancro e assim atenuar o seu impacto nos doentes, nas famílias e na sociedade.”


São também premissas que a Eurodeputada Socialista pretende integrar no documento de trabalho: “aumentar a investigação para compreender melhor os determinantes associados ao cancro; apostar na partilha de políticas efetivas na prevenção do cancro, para gerar evidência na tomada de decisão; promover os estilos de vida saudáveis e nos locais de trabalho; aumentar a taxação de bebidas açucaradas e alimentos fastfood; políticas de combate à iniquidade de acesso para os doentes oncológicos; é nesse sentido que irei procurar ver estes objetivos refletidos nesta resolução”.


Atualmente, ao encontro do programa nacional de saúde em Portugal, para prevenir o cancro, são administrados dois tipos de vacinas de prevenção, a HPV - Papiloma Vírus Humano - Superior e VHB - Hepatite B. Para Sara Cerdas “é necessário mais investimento nesta área, pois só através de uma melhor e maior evidência cientifica podemos obter resultados e desenvolver novos tratamentos, que permitam auxiliar na prevenção destas doenças”.