Sara Cerdas quer que Plano Europeu de Combate ao Cancro reduza iniquidades nas RUPs

Sara Cerdas defende que o Plano Europeu de Combate ao Cancro deve ter em consideração as iniquidades em saúde, em especial, deve garantir a igualdade no acesso aos cuidados e tratamentos em doentes que se encontram nas Regiões Ultraperiféricas e em regiões mais distantes dos locais onde são prestados estes cuidados.


“O acesso aos cuidados de saúde depende da disponibilidade e da oferta de cuidados. Como sabemos, por vezes as regiões ultraperiféricas, como a Madeira e os Açores, e outras regiões remotas, não têm a mesma acessibilidade aos cuidados de saúde. É necessário que o Plano Europeu de Combate ao Cancro, que estamos agora a definir, tenha em conta as especificidades destas regiões, e que reduza as barreiras no acesso, não apenas aos tratamentos, mas também aos diagnósticos precoces”. 


Foi durante uma audição com a  Comissária Europeia com a pasta da Saúde, Stella Kyriakides, na Comissão Especial de Combate ao Cancro, que a eurodeputada questionou como irá este plano responder a um dos objetivos definidos no programa de saúde europeu, o EU4Health, que consiste na redução das desigualdades em saúde e melhoria do acesso a todos os cidadãos europeus. 


Sara Cerdas, vice-presidente desta Comissão, questionou ainda qual é a estratégia da Comissão para envolver os Estados-Membros na construção deste plano. “Tendo em conta que os cuidados de saúde são da competência dos Estados-Membros, e necessitamos destes para a plena implementação deste plano, como será o mesmo adaptado à realidade de cada Estado-Membro tendo em conta as diferentes necessidades em saúde?”, questionou.


Após várias discussões e consulta pública, o Plano Europeu de Combate ao Cancro será lançado no final deste ano, e assenta em quatro pilares: prevenção, diagnóstico precoce, tratamento e cuidados de acompanhamento. A eurodeputada salienta que “estamos todos focados em trabalhar para que este plano seja um sucesso”.