​Últimas Notícias

Sara Cerdas visitou esta manhã o engenho “O Reizinho” em Gaula, produtor de rum, aguardentes e licores derivados da cana sacarina, no âmbito da 9.ª Edição do Roteiro Geração Madeira, sob o tema “O papel da UE na valorização da produção regional”.


A eurodeputada Sara Cerdas aponta a importância do financiamento da União Europeia na valorização da produção regional e o impacto positivo na economia local, nomeadamente através do apoio à transformação da cana-de-açúcar pelo programa POSEI - Programa de Opções Específicas para fazer face ao Afastamento e à Insularidade, programa específico para as regiões ultraperiféricas.


“Através do apoio à transformação que, no fundo, ajuda a indústria a pagar o produto ao produtor, mas também ajuda indiretamente o agricultor a escoar o produto, a União Europeia tem consecutivamente valorizado o RUM e incentivado a indústria a pagar melhor a produção - do preço total por quilo de cana-de-açúcar - 33 cêntimos - 17 cêntimos é pago pela UE e o restante pelo engenho. Inclusive, durante a pandemia, a Comissão Europeia, para atenuar a escassez de liquidez, aprovou um apoio estatal no valor de 275 000 euros para apoiar as empresas ativas no setor da transformação da cana-de-açúcar na Madeira.”


Sara Cerdas considera a proteção da qualidade e da origem, as tradições e as características únicas de muitos produtos típicos da Madeira importantes para a valorização da produção regional e congratula o trabalho dos deputados do PS na Assembleia da República. “Também o Orçamento de Estado manteve o imposto especial sobre o consumo relativamente ao Rum da Madeira ao mesmo nível de 2022, valorizando este produto emblemático da Região.”


Na ocasião também marcaram presença Sérgio Gonçalves, Presidente do PS Madeira, Silvia Silva, Deputada na Assembleia Legislativa da Madeira, e António Alves, Presidente da Concelhia do PS de Santa Cruz.


O Rum da Madeira é um produto com Indicação Geográfica (IG), parte da política de qualidade da UE. Tal designação garante aos consumidores confiança e produtos de qualidade, bem como promove as características únicas associadas à origem geográfica e a modos de produção tradicionais.


O Roteiro Geração Madeira é uma iniciativa de Sara Cerdas para ouvir as preocupações e receber no terreno os contributos da população madeirense e aprofundar um trabalho de proximidade entre as instituições europeias e a RAM.

3 visualizações0 comentário

Sara Cerdas terá o papel de negociar a posição da Madeira e dos Açores no novo relatório de iniciativa do Parlamento Europeu sobre a recente Comunicação adotada pela Comissão Europeia sobre as Regiões Ultraperiféricas, como negociadora na Comissão de Transportes e Turismo.


A eurodeputada do PS enaltece a oportunidade de complementar a comunicação da Comissão, com vista a promover o potencial das regiões ultraperiféricas (RUP), tendo em consideração as suas especificidades, os atuais desafios, a dimensão social e todas as oportunidades na transformação ambiental e digital.

Sara Cerdas aponta ainda que a Conferência de Presidentes das Regiões Ultraperiféricas da UE, que decorreu até ontem em Bruxelas, e na qual os eurodeputados puderam debater desafios e oportunidades comuns com os representantes das RUP, foi essencial para trilhar ações futuras e abrir janelas onde é possível e necessário fazer mais. “Fazer valer as nossas especificidades, a troca de sinergias e o aumento de cooperação entre vários níveis de governo e as instituições europeias significa assim que estaremos capazes de legislar mais e melhor, com as nossas regiões ultraperiféricas em mente, nas componentes da coesão, social, territorial, e nas grandes transições que atravessamos como a ambiental e digital, com as crises da Covid-19 e da guerra como pano de fundo. São muitos os desafios para as RUP, mas também o seu potencial, por exemplo em termos ambientais, com a proteção da biodiversidade, o impulsionar a economia azul sustentável, a criação de uma rede de energias renováveis e a implementação de projetos-piloto, sobretudo em ecoturismo.”

Em maio de 2022, a Comissão Europeia lançou uma comunicação intitulada “Dar prioridade às pessoas, garantir o crescimento sustentável e inclusivo, realizar o potencial das regiões ultraperiféricas da UE”. O Parlamento Europeu vai elaborar um relatório de iniciativa com a sua posição, em resposta à comunicação, na Comissão REGI (Comissão de Desenvolvimento Regional), que contará com um parecer da Comissão de Transportes e Turismo (TRAN), do qual Sara Cerdas integra a equipa de negociação pelo Grupo dos Socialistas e Democratas (S&D).

7 visualizações0 comentário

Sara Cerdas será negociadora da futura legislação que visa criar um Espaço Europeu de Dados de Saúde, como relatora-sombra pelo grupo de Socialistas e Democratas (S&D) no Parlamento Europeu.


“O regulamento sobre o Espaço Europeu de Dados de Saúde vai revolucionar o acesso a cuidados de saúde dos cidadãos da UE. No futuro, os registos clínicos de cada utente estarão nas suas mãos, independentemente se recorrem ao setor público, ao setor privado, no seu país ou noutro Estado-Membro. É um verdadeiro passo em frente na construção de uma União Europeia para a Saúde que não conhece fronteiras, nem barreiras tecnológicas. Para além disso, conseguiremos otimizar a investigação científica, poderemos elaborar políticas baseadas em melhor evidência científica e melhorar a resposta nos cuidados de saúde prestados. O cruzamento de informação contribuirá para a deteção precoce de ameaças à saúde pública, traduzindo-se em respostas mais atempadas e eficientes que salvaguardem a saúde e o bem-estar dos cidadãos.”


A eurodeputada do PS, médica em saúde pública, afirma que “nada se faz sem investimento” e que “a UE deverá envidar grandes investimentos na digitalização, nos equipamentos, no desenvolvimento da cibersegurança e na formação dos diferentes elos do sistema de saúde, em especial, os seus profissionais”. Considera que o apoio aos Estados-Membros no processo de transformação e modernização digital é um passo crucial, bem como as questões ao nível da segurança, da privacidade e da proteção de dados. “Os dados de saúde são dados sensíveis e é essencial garantir uma forte aposta na sua proteção e na garantia do consentimento informado dos cidadãos em todo o processo”, conclui.


O Espaço Europeu de Dados de Saúde será o primeiro espaço comum de dados da UE e pretende melhorar o acesso digital aos dados de saúde dos doentes, nomeadamente o acesso simplificado a registos de saúde eletrónicos, dados dos exames médicos, inclusive quando viajam dentro da UE.Também permitirá o uso de dados de saúde para mais e melhor investigação, formulação de políticas e regulamentação, com uma estrutura de governo europeia confiável onde todos os Estados-Membros podem participar.

45 visualizações0 comentário